Cardiologia: explorar fronteiras, expandir conhecimentos

“Explorando As Fronteiras Da Cardiologia” foi o lema da IV reunião clínica anual da UCARDIO – Unidade Cardiovascular de Riachos. o cardiologista e coordenador do projeto, Doutor Jorge Humberto Guardado, conta ao perspetivas os resultados desta reunião que, além de ser um evento de referência, fomenta a troca de experiências e a partilha de saber."

Pelo quarto ano consecutivo, a UCARDIO reafirmou a sua importância internacional no domínio da Cardiologia, juntando vários profissionais em torno de um programa dedicado aos limites desta especialidade, aproximando-a de outras áreas, nomeadamente a Pediatria e Pneumologia. Para Jorge Guardado, esta Reunião de dois dias tem o mérito de criar uma ponte entre o meio clínico e o exterior. Além disso, “torna-se também interessante pela diversidade de temas”, já que, colocando a cardiologia no centro, estabelecem-se parcerias que beneficiam a ciência e os pacientes. Assim, mais do que uma reunião de cardiologistas, este é um evento dedicado a aproximar doentes, classe médica e parceiros institucionais.
Destaques
Nesse sentido, o clínico considera que um dos pontos altos da reunião foi o bloco “Para além da Cardiologia – O que preocupa os doentes”, já que permitiu cruzar o saber científico com preocupações transversais a muitos pacientes, como apneia de sono, Dr. Orlando Santos, patologias renais, Dra. Ana Vila Lobos, e hiperhidrose, Prof. Javier Gallego. Uma das novidades da edição de 2019 prende-se com uma iniciativa inédita, o Curso de Cardiologia Avançada, decorrido na manhã do primeiro dia. Trata-se de um curso prático, baseado na especialização de Jorge Guardado na área da Cardiologia de Intervenção e no SimulHeart – uma tecnologia desenvolvida pelos Doutores João Silva Marques e Manuel Oliveira Santos (da equipa da UCARDIO) para a simulação em 3D daquilo que diariamente ocorre nas salas de hemodinâmica e Intervenção Cardiovascular. Contando com o honorável patrocínio da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC), “o curso foi um sucesso”, já que foi o primeiro do género em Portugal e teve uma adesão substancialmente superior à prevista. Outro ponto merecedor de destaque foi o Curso para Técnicos de Cardiopneumologia, pois abriu também a Reunião a profissionais com um papel determinante no trabalho diário de um Cardiologista. Ambos os cursos foram complementados por oficinas de trabalho, onde participaram 50 formandos. O Primeiro dia encerrou com a Sessão Solene de Abertura, que foi precedida da conferência da Prof. Hortense Cotrim sobre consentimento informado em idades pediátricas, trabalho feito em grande parte na UCARDIO. Respeitando o sucesso alcançado, também o dia seguinte arrancou com “uma mesa brilhante” sobre a atualidade da Cardiologia com excelentes comunicações, onde esteve envolvido o Corpo Clínico da UCARDIO, tendo depois um painel de grande qualidade na moderação e comentários, Dra. Maria José Loureiro, Dr. Carlos Catarino e Dr. Rui Caria. Seguiu-se a conferência do Professor Carlos Cotrim, que tem desenvolvido um importante trabalho de pesquisa na aplicabilidade do Ecocardiograma de Esforço nas crianças, sendo a UCARDIO um dos principais Centros onde reside essa investigação. Antes da pausa para almoço houve ainda lugar para uma conferência sobre sexualidade masculina, promovida pelo Dr. Paulo Vasco e com comentário da psicóloga da UCARDIO, Dra. Sara Carvalhal. “Fechou com chave de ouro, principalmente sendo uma mulher a comentar esta temática”, acrescenta o Dr. Jorge Guardado. Posteriormente, o jurista Luís Miguel Dória alargou a discussão à Lei, Ética e Responsabilidade no Ato Médico e em Medicinas Alternativas, um tema cuja importância se cruza com a atualidade mediática. No final, depois da Sessão Casos Clínicos, foi atribuído um prémio monetário ao caso vencedor.
Debate de interesse público
Contando 184 participantes, a Reunião teve lugar a 25 e 26 de outubro, dividindo-se entre o Convento do Carmo e a Biblioteca Municipal, em Torres Novas. Pela primeira vez, palestrantes, assistentes e técnicos oriundos de várias latitudes pernoitaram por estas paragens, desenvolvendo assim o tecido comercial da região. Por outro lado, a repercussão nas redes sociais demonstra a importância deste evento, reforçando o papel da UCARDIO e comprovando a excelência da iniciativa. Para o futuro, espera-se elevar a fasquia e dar continuidade ao desafio de organizar a V edição desta Reunião. Fonte: perspetivas.pt
Ler mais...

“Troquei Lisboa por Torres Novas e ganhei uma qualidade de vida muito superior”

Ana Pais dos Santos - Gestora de Recursos de Saúde, 39 anos - Directora Geral da UCARDIO - Centro Clínico em Riachos, Torres Novas

A nossa política hidrográfica é algo que nunca entendi muito bem. As barragens e represas que eram para ser construídas nunca foram concretizadas. Muito se fala em poluição. Penso que estamos a melhorar lentamente e quero acreditar que nas gerações futuras se irá viver tendo como princípio básico a preocupação ambiental. As maiores oportunidades profissionais e as infra-estruturas de grande envergadura estão centralizadas nas grandes cidades. No meu caso foi o inverso, saí de Lisboa para o concelho de Torres Novas onde consegui encontrar uma carreira profissional e uma qualidade de vida muito superior. Como adulta nunca enviei postais de Boas Festas pelos Correios. É sempre por mensagem, chamada telefónicas ou através das redes sociais. Já pensei comprar um carro dos eléctricos mas ainda não é a altura certa. No entanto, a minha preocupação com o ambiente é uma constante. No meu dia-a-dia sigo a política dos cinco érres (Responsabilidade, Redução, Reutilização, Reciclagem, Revolução), tento fazer algo mais pelo futuro dos meus descendentes. Comecei a trabalhar em Setembro de 1999, com 19 anos. Entre os “part-time” que tive durante o ensino superior, e os vários anos de trabalho precário como professora das actividades extracurriculares no primeiro ciclo do ensino básico, mudei oito vezes de trabalho até encontrar um emprego que me preencheu completamente, que me motivou até para voltar a estudar, no qual estou há uma década. Confesso que me tenho adaptado apenas por questões profissionais. No meu dia-a-dia se não estiver completamente concentrada escrevo com a grafia anterior. Vim estudar para Torres Novas em 2000, acabei por criar as minhas raízes aqui. Apaixonei-me pela qualidade de vida, pelas pessoas, pela beleza da região. Estou feliz aqui. A nível pessoal e profissional sou uma pessoa realizada. Aqui consigo ter uma excelente qualidade de vida. O facto de conseguir levar os meus filhos ao infantário a pé, de os levar a passear sem medos, não passar horas presa no trânsito é algo que não tem preço. Do que sinto falta ao morar numa zona mais interior é da praia. Mas mesmo assim temos excelentes alternativas como as praias fluviais. Pessoalmente não assisto a touradas, no entanto respeito. As nossas raízes existem não as podemos desconsiderar. Para mim o grande acontecimento da região é a Festa da Bênção do Gado, em Riachos. As ruas todas adornadas representam a dedicação da população e do muito trabalho desenvolvido. Sem esquecer o cortejo, que é simplesmente magnífico. É uma festa que se realiza de quatro em quatro anos. Aqui ao lado, na Golegã, temos anualmente a Feira de S. Martinho. Fonte: https://omirante.pt/omirante/2019-11-21-Troquei-Lisboa-por-Torres-Novas-e-ganhei-uma-qualidade-de-vida-muito-superior
Ler mais...